Apenas uma conversa com um motorista de aplicativo.

Eu tinha acabado de passar 7 dias intensos no curso BEC (Business and Executive Coaching) do IBC em São Paulo e estava a caminho da casa do meu pai.

Comecei a conversar com o motorista e, conforme ele ia se interessando pelo coaching, eu fui fazendo algumas perguntas relacionada ao âmbito profissional.

Leve-o a uma reflexão e ele se mostrou insatisfeito com o seu atual emprego. Por causa disso, ele estava pensando na hipótese de mudar completamente de carreira profissional.

Pude constatar que ele gosta da atividade que exerce e, mesmo tendo mudado de emprego recente, manteve-se no mesmo tipo de função. A troca somente aconteceu devido ao emprego anterior ser muito longe de sua casa.

Neste atual emprego estava a apenas quatro meses, mas já estava desgastado pelo excesso de horas trabalhadas diariamente, aproximadamente 12 horas, e também por causa do comportamento da sua gestora.

Abro um parenteses: Numa empresa com alta rotatividade em relação a troca de funcionários, sendo necessárias muitas horas extras e metas que não são atingidas, a culpa é de quem? E quando ele me disse como sua gestora estava tratando as pessoas, com palavras de baixo calão e culpando os funcionários pelas metas não atingidas? Apesar do sentimento que me tomava, tive que agir de forma profissional e responsável para não influenciá-lo.

Procurei levá-lo a uma reflexão na qual ele mesmo pode perceber que não fazia sentido jogar fora toda a experiência e o conhecimento técnico que ele possui.

Adicionalmente a isso, ele pode perceber que pode buscar uma nova posição profissional dentro da sua própria área, sendo necessário apenas capacitar-se e agregar novos conhecimentos para se tornar um especialista.

Ele também pode tirar os olhos do problema, olhar de forma mais ampla para buscar um caminho para uma solução, seja achando uma maneira de ajudar a sua gerente a tomar consciência das suas atitudes ou buscar os melhores métodos de trabalho para que ele possa atingir as próprias metas, pelos seu próprio desenvolvimento e dedicação, mantendo o emprego atual enquanto ele não tem a definição do caminho a seguir.

Em relação a gestora, ele pode compreender que uma pessoa não dá o que ela não tem e que, muitas vezes, as pessoas não possuem consciência das suas próprias atitudes.

No final ele me agradeceu, pois percebeu que havia passado por uma sessão de coaching, que o fez ter mais clareza da sua vida profissional e perceber as possibilidades que ele não havia pensado.

Para mim foi um momento para refletir sobre a situação de muitos chefes e sobre a minha responsabilidade como Coach de levar as pessoas a uma reflexão sobre si próprio e não sobre os outros.

Vê-lo grato, só reforçou missão em meu coração.

Diante de tudo isso eu não posso deixar de agradecer a Deus por ter me direcionado e me mostrado um caminho que eu jamais teria escolhido. Agradecer a minha esposa por estar me sustentando e apoiando em todo o tempo e a meus filhos por me amarem assim como sou. E também sou grato por ter tudo o que necessito e por não sentir falta de nada.

Seja responsável com suas palavras e ações e também seja grato pelo que você já tem.

Esta foi apenas uma conversa com um motorista de aplicativo.