A História

A palavra Coaching teve a sua origem na idade média, sendo utilizada para identificar o cocheiro que conduzia o coche, carruagem que tinha a finalidade de fazer o transporte de pessoas.

No começo do século XIX, por volta de 1830, foi utilizado na universidade de Oxford para definir alguém como tutora particular, com o sentido de quem carrega, conduz e prepara, aquele que tinha a responsabilidade de ajudar o aluno a se preparar para exame da matéria ao qual ele a estava fazendo a tutoria.

Ainda no século XIX, por volta de 1850, nas universidades dos Estados Unidos da América, passou a ser atribuído aos professores e mestres, quando estes tinham o papel de ajudar os estudantes na preparação para os seus exames e testes.

Em 1950, a palavra “coach” não foi utilizada com o significado da pessoa que conduz a pessoa até o local desejado, mas em referência à habilidade de gerenciamento de pessoas.

Nesta mesma época o coach passou a ser utilizado no esporte para designar a pessoa responsável pelo aperfeiçoamento dos atletas e equipes e também como uma técnica que trabalhavam as questões motivacionais e comportamentais.

Esta técnica foi desenvolvida pelo tenista e treinador Tim Gallwey, com o intuito de ajudar os atletas a aumentar a performance, eliminando a auto-sabotagem, ou seja, eliminando a autocrítica, limitações e fraqueza dos atletas. A partir deste trabalho Gallwey lançou o livro The Inner Game of Tennis.

A partir desta abordagem se percebeu que esta técnica poderia ser utilizada além do mundo dos esportes, mas em qualquer outra área que fosse necessário o desenvolvimento pessoal e profissional, sendo indicada para todos que desejam alcançar objetivos específicos, desenvolver habilidades, aprimorar competências e atingir excelentes resultados. Então, na década de 1960, principalmente nos Estados Unidos da América, o modelo de coaching do esporte passou a ser adotado no mundo dos negócios.

Veja também os artigos:

 

O objetivo

O coaching tem o objetivo de levar o Coachee do seu estado atual ao estado desejado, ou seja, leva-o em um processo de desenvolvimento e transformação que o faz atingir o resultado esperado de forma mais rápida e com maior qualidade.

O Coaching gera no Coachee um auto grau de conhecimento de si próprio e transformação, onde ele experimenta resultados extraordinários, ao eliminar toda a bagagem de crenças que o limita e que carregava ao longo de sua história.

Ao se ver livre, o Coachee percebe o poder imensurável do processo de Coaching em sua vida, vivenciando o que jamais poderia ter pensado ou imaginado para si mesmo. Ao permite-se experimentar novas coisas e a ir além dos limites, possibilita gerar um processo cíclico de desenvolvimento e aprendizado, não apenas no curto e médio prazo, mas com resultados de longo prazo em sua vida.

Os envolvidos

No processo de Coaching temos dois papeis bem claros e definidos, o do Coach e do Coachee, sendo que o processo pode ser realizado de forma individual ou em grupo. Mesmo no processo em grupo, o desenvolvimento se dá na esfera individual, potencializando a geração de resultado do grupo.

O Coach é o profissional capacitado e certificador instituições devidamente reconhecida pelos órgãos mundiais de Coaching. Ele tem o papel de ajudar as pessoas e as empresas a alcançarem resultados extraordinários de forma rápida, objetiva e eficiente. Para isso, ele utiliza métodos, técnicas e ferramentas que passaram por ampla validação e muitos por comprovação científica.

O Coachee é o cliente do Coach. É o individuo que para passa pelo processo de Coaching, com o intuito de alcançar o seu objetivo de forma rápida, assertiva e com eficiência. Neste processo o Coachee vive uma intensa e poderosa evolução sendo que, para isso, deve estar consciente e apto a permitir-se ser ajudado.

O processo

O processo de Coaching acontece em um formato comprovado cientificamente, com início, meio e fim. Onde o Couch tem a função de conduzir, estimular, apoiar e despertar o seu Coachee, para que ele possa atingir o máximo do seu potencial, atingindo os seus objetivos de forma rápida e eficiente.

Normalmente, o máximo são 10 sessões, sendo que elas acontecem periodicamente, semanalmente, quinzenalmente ou mensal, com duração de 1H30, sendo flexível à ponto de ser adaptado as necessidades do Coachee, a complexidade das atividades da sessão, das tarefas a serem executadas pelo Coachee ou do acordo realizado entre as partes.

O processo de Coaching acaba quando o Coachee atinge o resultado esperado, por isso se considera que, a quantidade máximas de sessões é apenas uma sugestão de limite, visto que o objetivo do processo não é realizar todas as sessões, mas que o Coachee possa chegar ao seu objetivo de forma rápida, direta e eficiente, gerando nele autoconhecimento e desenvolvimento.

As Sessões

Uma sessão de coaching somente acontece com disposição mutua do Coach e do Coachee no resultado almejado por este último.

O Coach deve estar livre de qualquer preconceito ou de juízo de valor, com total atenção no momento, criando um ambiente para que o seu cliente esteja totalmente seguro e confortável, realizando a escuta ativa para que possa captar o que o seu Coachee quer dizer com as suas palavras e gestos, sempre incentivando-o à estar comprometido com os seus próprios resultados.

São utilizadas técnicas, processo, procedimentos e ferramentas apropriadas de acordo com a necessidade atual do seu cliente, identificando os impedimentos e ajudando o Coachee à ressignificar e tomar as decisões necessárias que o levarão a ação e, por consequência, ao atingimento de resultados.

O foco do Coach sempre estará sempre no Coachee, com o objetivo principal de leva-lo o mais rápido ao seu estado desejado, através do desenvolvimento de suas habilidades, potencializando as suas competências, realizando a mudança de comportamento, eliminando as crenças que o limitam e fazendo-o atingir os resultados desejados.

Somente é considerado uma boa sessão se o Coach e o Coachee tiverem o sentimento de dever cumprido, de ter dado mais um passo no desenvolvimento do cliente. Para isso, o profissional do Coaching deve checar no início da sessão qual o estado que o Coachee chegou e qual o estado que ele está terminando. Se ao final o Coachee tiver a percepção de que houve uma evolução, tanto em relação a estar mais próximo do seu objetivo, como a ter tomado um maior conhecimento de si mesmo, certamente terá o sentimento de que foi uma boa sessão.

Sendo assim, é possível concluir que numa sessão é necessário um Coach capacitado para utilizar-se de todas as ferramentas e das técnicas que levarão o Coachee ao seu estado desejado da sessão, através de um ambiente e uma conexão apropriada. O foco sempre estará no futuro com ações no presente, por isso, uma sessão somente pode ser considerada como Coaching se, além dos sentimentos positivos do Coachee, ele também saia com atividades a serem realizadas nos próximos dias.

Veja também os artigos:

 

Como você pode perceber o Coaching utiliza-se de excelentes ferramentas consolidadas e, por isso, ele é muito assertivo e traz grandes resultados para quem se permite passar por ele.

 

Se ainda há dúvida, faça uma sessão e perceba o potencial que há em você!

[ninja_form id=2]